terça-feira, 16 de junho de 2015

JOIA RARA



Gosto de ti ver brincar,
tentar disfarçar e sorrir.
Às vezes pensas que não vejo,
eu finjo não ouvir.
Não sou seu dono
e nem outrem será.
Sei porque escondo
talvez a sua emoção 
seja maior a de ficar.
Se te vi subir no telhado 
feito gata no cio
foi por que gostas de ser: 
cortejada, amada,
acariciada e tola.
Uma joia rara e domada
encontrada na encosta do rio.
Comigo? Não se incomodes!
Só pensei em ajudar,
como fruta não morde,
fugiu à noite e nasceu no mar.
Não solto a cor, nem camaleão sou,
Sinta-se livre ao deleitar
e viver seu louco amor.

Emiliano Pinheiro Véras

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...