quinta-feira, 2 de maio de 2013

A RESPOSTA DO TEMPO



Senti que tinha que te abandonar

quando deitado ao teu lado, abraçando-te
vi o quanto eu gostava daquilo e
que me enlouquecia, deixando-me
dependente, perdidamente apaixonado.
Eu sabia que aquilo não poderia ter acontecido.
e fiquei ali, por alguns momentos sentindo teu calor,
quando veio uma vontade tão grande de chorar,
um medo incomum que me que me fazia correr, 
afastar de mim todos os bons pensamentos
e não conseguir mais pensar em te querer, 
te ter ao meu lado inseguro.
Melhor seria dá um tempo e deixar 
que aconteça o que o tempo 
tiver de nos preparar
verdadeiramente para nós
ou para nenhum dos dois.

Emiliano Pinheiro Véras


JOGO DO AMOR



Que bonito alguém dizer que é sinceramente amado.
Eu não sei se já fui, mas sei que muito já amei
e sei que no jogo do amor, nunca fui artilheiro.
Sou muito direto, sincero e verdadeiro e sendo assim
entrego o meu jogo e fico sem armas, sem cartas na manga.
Quando saio de casa, até que me planejo, traço estratégias, 
mas na hora do encontro, não consigo esconder minha paixão
e o oponente desse jogo sabendo como sou 
me encurrala, como se realmente existisse um vencedor.
Às vezes que mais fui amado, foram aquelas 
que pouco me interessei e fui verdadeiro, 
ou mesmo me apaixonei, onde preferi ser frio,
e no meu silêncio eu agradava e desse jeito
mais me amaram e fomos felizes.
Parece que quando amamos verdadeiramente, não devemos 
ser tão diretos, sinceros, agradar ou falar muito,
pois no jogo do amor o choro a fraqueza
não fica para os que menos sofrem.

Emiliano Pinheiro Véras

VIDA PASSAGEIRA



Que vida mais louca e gostosa de se viver.
Passei dias, meses, 
brincando com o meu próprio coração.
Achando. Julgando-me incapaz de amar novamente,
por ter sofrido, maltratado em tempos passados.
Quando aconteceu como sempre, sem precisar
correr atrás, atacar, 
conquistar um novo amor nas ruas,
este afeto novamente bateu na minha porta,
como quem não quer nada 
e eu me achando uma fortaleza
deixe entrar e em pouco tempo se transformava 
numa nova paixão.
Meu medo, minha insegurança 
também não me deixaram de lado,
como todo apaixonado me transmutei, 
dominado numa nova paixão.
Seletivo com o tempo deixado pelas cicatrizes, lutei!
Mas não tive coragem de encarar e no desespero
pedi logo. Por favor não me deixe te amar,
siga seu rumo e me deixe seguir o meu.

Emiliano Pinheiro Véras

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...