segunda-feira, 30 de abril de 2012

SUICÍDIO


Pular de um precipício!
Deixar o vento bater forte no rosto,
quando as lembranças de uma vida
escorrem nos minutos afins até o chão.
O choro que não vem, o arrependimento tardio
o encontrar outra vida que aqui não vai estar.
São tantas observações que de louco suicida
se torna o herói da não existência.
Momentos insanos complacentes,
todavia o pecado imposto.
A recusa de opiniões, o medo,
a covardia....principalmente!
Já muitos tiveram o mesmo impulso,
talvez falta de fé,
de encontrar Deus nas pequenas coisas,
ou até mesmo entender o significado
da palavra esperança e que dias melhores
sempre virão!!!

Emiliano Pinheiro Véras

quinta-feira, 26 de abril de 2012

AQUELE AMOR


Já tive dias que muito amei, amei tanto que esqueci de mim. Comecei a valorizar mais a insegurança, a incerteza e quase me excluí. Não mais sabia amar, não sabia e quando o que eu achava ser amor acabou, acabei junto. Chorei por vários dias, até as lágrimas deixaram de existir e me vi num espelho deformado, quase sem aparição, descobri que aquela imagem não era eu, e eu mudei a custo de dor como quem sofre de um acidente. Recuperei-me das feridas, até que o sol voltou a brilhar, como sempre haverá de ser e eu voltei, como voltar de uma guerra, com lembranças ruins, mas que a melhor delas, que realmente importou foi que havia sido feliz.

Emiliano Pinheiro Véras

ESSA NOITE


Hoje eu queria estar com você, nem que fosse por alguns instantes e até mesmo só por aventura, mas eu queria estar com você ao meu lado, sabendo ou não que no outro dia poderemos passar um pelo outro como dois estranhos e eu sentir meu coração bater incontrolável, minhas pernas cambalear e eu bobo ficar, assim mesmo essa noite, somente essa noite eu queria sentir seu cheiro, dizer-te coisas quentes e te deixar entrelaçar nos meus braços e o amanhã sei lá.....entregar ao destino!

Emiliano Pinheiro Véras

quinta-feira, 5 de abril de 2012

ENTENDA


Há dias que não pensava em você, achava até que aquelas noites eram momentos em que eu acordava altas horas de um sonho infantil, sem medos, sem dúvidas de me envolver e me apaixonar. Pensei que nunca fosse precisar compreender e quis mesmo novamente amar, mas o passado não deixou, fui frio, fui sem crer e não te recebi com o carinho que você queria me encontrar. Queria muito viver essa emoção sem lembrar as experiências passadas, mas o coração trava e a reposta é a mesma.....não dá para continuar e assim destruindo o que poderia ser bom, até que as atitudes acertadas me façam ser o amante esperado para quem precise dele. 

Emiliano Pinheiro Véras

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...