sábado, 31 de dezembro de 2011

FOI ASSIM




Acho que foi assim
tão simples, tão fácil
que compliquei a vida.
Você chegou de repente,
encantou e me apaixonou.
Eu não entendi, perdi a direção!
Meu rumo teu prumo,
minha astúcia tua exaustão.
Fiquei parado, caído, domado.
Depois que tudo estava dominado,
o sol escureceu, as sombras sumiram
e meu coração chorou...
chorou de saudades
que a lembrança multiplica,
os momentos de ternura enlouquecem a alma,
a magia do encontro petrifica.
Acho que estou assim
perto de ti não sei de mim,
longe de ti perco a razão.




Emiliano Pinheiro Véras

PLANOS



Não foi um sonho!
Não tive uma ilusão.
Não estava embriagado.
Louco sim, de paixão!
Caminhávamos à beira-mar
no relento da alvorada,
dava até para sentir a brisa
esvoaçando nossos sentimentos.
O sussurro perfumado das palavras,
a escaldante sensação 
do amor nos embalsamando.
A emoção do encontro
antes tímido e despreparado.
E nós sorríamos tanto, brincávamos
como duas crianças ingênuas
e nos abraçávamos tão longamente
que de repente estávamos em outro sonho
de casarmos, morarmos juntos
e termos muitos filhos.
O tempo passou e esquecemos nossos planos...
Talvez tenha sido culpa da rotina,
da ganância material,
do não lembrarmos o melhor da vida.


Emiliano Pinheiro Véras

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

MEDITAR




Quero falar de coisas que aprendi na vida
que o tempo não vai me fazer esquecer.
Quero lembrar do que vivi na escola
sem fatos de tirania ou discriminação.
Quero escrever na areia da praia
poemas que o mar jamais vai apagar.
Quero lutar pelo que acredito
sem ter que brigar pelo que faço
e sonhar, sonhar, sonhar....
Quem sonha tem muita vontade
e essa virtude é que alimenta a alma,
irradia os loucos pensamentos
e transforma a realidade.
Quero sentir na pele o ardor
do sol que queima sem machucar
e poder vivenciar todos os momentos
simples ou complicados...
Quero sentir na boca o gosto
insosso daquele teu beijo
que ficou vivo na lembrança
e dizer como é bom
amar, amar, amar.
Quero mergulhar em águas profundas
e resgatar o mais sublime desejo
que muitos não acreditam
na força das atitudes
voar, voar e voar.
Depois quando bem alto eu chegar
quero ficar lá parado,
só observando, talvez lendo
e esperando o fim chegar.



Emiliano Pinheiro Véras

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

DAMA DA NOITE

Oh dama da escuridão, dama da saia justa.
Caminhante do silêncio inóspito e pudico,
operante das noites frias e nuas.
Segue teus dias e tuas lutas,
sorridente no trabalho
sedenta nunca falta.
Mãe de sonhos turvos,
esqueces teu calvário.
És mulher, ingênua e tola!
Tens perfume arrogante,
pouco sedutor à patroa, 
muito embriagante!
A música que te anima
a mesma que te consome.
Diz-se formosa dos prazeres carnais
por ocasião de gostar do que muito faz.
Pois então não me chores à toa,
onde sei que és boa pessoa.
Te levanta e segue teu destino,
seja você o que já conseguimos,
todos fomos aprendizes meninos.
És muito mais do que dizes,
és uma pessoa boa.


Emiliano Pinheiro Véras

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

VÍCIO




Antes que tudo despedace.
Queria ver um sorriso gostoso,
aceso no rosto daquela criança.
Antes de acreditar numa mentira.
Gostaria de escutar uma verdade
que não fosse egoísta, sensacionalista.
Antes que a droga te consuma.
Pediria para te ver mais sóbrio,
feliz da vida como ontem.
Antes que a chuva passe,
os trovões cessem
e os raios clareiem
meu espelho quebrado.
Te diria que tudo passa.
As dores diminuem
no coração apertado.
As palavras mal ditas
se apagam no vento
as ofensas transmutadas
e os sonhos realizados.
Que a força interior
de cada um de nós
é infinitamente grande.
Que nenhum mal se guarda,
como se guarda o bem.
Que nenhuma sombra
caminha sozinha e
esquece o seu eu.

Emiliano Pinheiro Véras

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

HERÓIS PESCADORES



Num lindo dia, a jangada saiu para pescar
na brisa suave, acalentava muitos sonhos
e o mar estava calmo, parecia prosperar
os bravos pescadores seguiam...estranhos.

               A saudade da família descortinava o medo
               sabedoria pequenina cultivada a gerações
               vidas ilustres, louvores musicais de enredo
               grande formosura, encantamento, criações.

Meninos que deixam seus lares queixosos
sem destino, sem certeza, muita nobreza
de homem que quer vencer dias odiosos
de desprazeres, fome cicatriz da pobreza.

               Nas coberturas de brancas brisas, alvuras
               encontrar naquele vai e vem o revolto mar
               chacalhando de lá para cá, longe honduras
               Viam o chão escorrer como algo derramar.

Aos tropeços a vida se ia sem esperança 
carregando no coração o sim do marfim
dilatação dos hemisférios de uma criança
no brio de uma jornada chegando ao fim.


Emiliano Pinheiro Véras

domingo, 11 de dezembro de 2011

TEMPO


A idade é um barco a deriva.
Quanto mais velho você fica, 
mais os amigos vão se afastando.
Vai-se criando responsabilidade,
opinião, caráter e personalidade
e quem não tem, não respeita!
A construção de uma vida
depende muito dos momentos
de alegria, tristeza e satisfação.
Quando algo acontece que já 
sabemos onde vai parar, 
não continuamos e isso frusta
a outra metade que não entende
o medo, a determinação
ou a interrupção.
Perdoe-me os percalços,
os momentos que pude proporcionar
e não proporcionei...eu sou assim!
A vida é assim!

Emiliano Pinheiro Véras

ACONTECEU



"Não te culpo por não ter me amado mais, 
nem me culpo por não saber o que fazer por esse amor. 
Tudo aconteceu tão de repente, fiquei alucinado, 
apaixonado e não soube te amar!"


Emiliano Pinheiro Véras


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ALEGRIA DE VIVER



Ao amanhecer 
devemos mostrar gratidão,
vitoriar com afabilidade o milagre de cada dia,
ao raiar do sol, ao colorido das coisas,
ao perfume distinto:
antes frio, depois quente.
Ao primeiro bom dia, às palavras carinhosas,
ao sorriso amigo.
Quanta viveza o destino nos trás.
Quanta surpresa o mais tarde nos espera.
Quantos sonhos felizes serão realizados?
E mesmo radiante não obstante dali,
a proeza da indignação que profana os valores
da solidariedade, da amizade.
Irrita-se com o nascer do dia,
desagrada-se da claridade,
do colorido, do perfume das coisas.
Despreza os valores,
Chateia-se com o sorriso,
reclama de tudo à toa.
Mas no dia seguinte:
Quem não pôde ver o dia nascer?
felicitar-se pelo bem-estar,
contentar-se pela sorte,
agradecer.......Viver!


Emiliano P. Véras

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...