sexta-feira, 20 de março de 2020

A HISTERIA DO DESAPEGO



Um dia eu lhe falei
que o amor não vai mudar
as agruras nem sempre ficam
num corpo eloquente de amor 

O coração afoga no sangue da aorta
as esperanças e a sufoca com as mãos 
a traqueia daquele que o declara.
O amor que faz-se de ternura 
é par a dor e o âmago da alma.

As intempéries motivam a mente sã
as alegorias evocam o hístico asno
de uma manhã torpe e suja de dor.
Não caia nos anseios da carne...


Sob o teu lastro respiro
o veneno do desejo
entretanto, profano o túmulo
de tua póstuma memoria.

Emiliano Véras e João Vitor

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...