quinta-feira, 9 de abril de 2020

OBSESSÃO



Ó tempo...
Tempo das clarificações,
torturas e amplidões.
Leva contigo as lágrimas 
dos lençóis encharcados,
das noites em prantos
reluzidos na alma...
Espíritos ajudantes!
Deixa de mim!
Expurga do meu ser,
tal ilusão mistificada
de amor e não vale a dor.
Permita tão sombria criatura
a beleza do sorriso,
antes da angustia
de não ser amado.
Crava no meu peito 
com força uma adaga, 
mas transmute essa ânsia
em esperança de outro amor.
Não façais de tão puro
à indolência do espírito
subjugado a força.
Salvai-me dessa obsessão
que me suga, oprime,
tirando minha paz, alegria
dos sonhos emanados
da grande divindade.

Emiliano Pinheiro Véras



Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...