domingo, 15 de agosto de 2010

SER E NÃO SER




"Hoje sou tempestade
Amanhã calmaria.
Sou humanidade
Depois solidão.
Sou vontade,
Desejo!
Ao mesmo tempo não!
Sou forte,
Sólido!
Em segundos, pedaços.
Sou o pássaro livre
Que canta ferido.
Sou a sandália perdida,
Logo achada.
Sou o encontro alegre,
Antes a saudade triste.
Sou o sim e não o sou,
Sou o todo universo.
Eu não sou nada!"


 Emiliano P. Véras

Um comentário:

  1. Como sempre você aquele cara libriano cheio de aventura no sangue, garra e indecisão ou melhor com muita atitute e isso você transparece nesse poema..........

    ResponderExcluir

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...