sexta-feira, 3 de setembro de 2010

LAMENTO



Naquela noite fria
calma, escura e chuvosa.
À claridade de uma vela escrevia.
Desnudando os mais singelos sentimentos.
Tudo parecia em minha mente clarear.
Como se uma luz divina me tocasse,
abrindo meu coração e dividindo meu olhar.
Às vezes que fiquei só,
no infinito dos pensamentos,
o tempo pairava revivendo tormentos.
Solidão que não cicatrizou.
Visões do passado nunca esconderam
a saudade, a paixão, a desilusão!
O gosto amargo de quem amou,
sofreu e se despedaçou.
Como se o vento de outono
levasse para bem longe
tudo que eu mais queria.
Sem ter a chance
de me arrepender
de ter tentado.
São momentos que nem sei contar.
Mas cresci na esperança e sabedoria,
de quem amou, lutou e acabou.
Também nunca foi um grande amor!

Emiliano P. Véras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...