quinta-feira, 2 de maio de 2013

JOGO DO AMOR



Que bonito alguém dizer que é sinceramente amado.
Eu não sei se já fui, mas sei que muito já amei
e sei que no jogo do amor, nunca fui artilheiro.
Sou muito direto, sincero e verdadeiro e sendo assim
entrego o meu jogo e fico sem armas, sem cartas na manga.
Quando saio de casa, até que me planejo, traço estratégias, 
mas na hora do encontro, não consigo esconder minha paixão
e o oponente desse jogo sabendo como sou 
me encurrala, como se realmente existisse um vencedor.
Às vezes que mais fui amado, foram aquelas 
que pouco me interessei e fui verdadeiro, 
ou mesmo me apaixonei, onde preferi ser frio,
e no meu silêncio eu agradava e desse jeito
mais me amaram e fomos felizes.
Parece que quando amamos verdadeiramente, não devemos 
ser tão diretos, sinceros, agradar ou falar muito,
pois no jogo do amor o choro a fraqueza
não fica para os que menos sofrem.

Emiliano Pinheiro Véras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...