quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

SEDUÇÃO



Um suspiro que espero e não veio
Ou veio num momento reflexivo.
Ou querer, sem querer querendo?
Dias calejados, desejo amortizado.

Tempo que rega e não mais floresce,
Onde a raiz, pouco a pouco secou.
Mas não morreu, conheceu outrora
E de tanto cuidar, esqueceu-se de si.

Um amor nascido do esquecimento
das agruras, intempéries do coração
donde o carinho, atenção, tudo vão.
Cautela! Depois da queda tudo dói.

Talvez o não está nem aí, de bobeira.
levar a pagode, como muito, levado
deixe-me em paz, onde amor ferido
cura, mas as cicatrizes nunca saem.

Emiliano Véras 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...