sábado, 14 de março de 2020

DISTÂNCIA


Talvez o acaso do tempo 
percorra minhas veias 
e descanse no coração triste, 
à sombra do sonho e da alma.
Um perfil insano 
dos amantes esquecidos, 
Insultados pelo cheiro 
dos sangrentos instintos vampíricos.
Deste ser de ar nebuloso e sombrio, 
descarga de desejos, 
loucuras e boas intenções 
benignas e suadas de amor.
Benditos de sagas seculares 
e imperiosas do bom fim 
das fantasias deste mundo 
subjetivo do teu fervor. 
Tormenta de prazer 
que ergue meu mar da vida...
Deve ser o vento, a brisa 
que empurra e motiva 
corpos em chama vivendo separados 
do labor sem esplendor.

Emiliano Véras e Levi Lopes

2 comentários:

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...