terça-feira, 19 de novembro de 2019

DEPOIS DE AMANHÃ



Mais um cigarro no cinzeiro
e obras se realizando.
Realidades por um fio
e destino frio se desgastando.
Mera coincidência de duas
estruturas se construindo.
Futuro gasto no presente,
passado massacrado em vertente.
Carnificinas definidamente,
fumaça arde os olhos,
devidos fins inconsequentes.
Pânico nos ouvidos,
dores no orgulho,
loucura eminente.
Nada de futuro
quando se começa a entender
que as crianças do amanhã
já são a cura do querer.
Perdemos e encontramos
o brilho que faltava
no final do túnel,
sonhos que o tempo
realiza intermitente.

Emiliano Véras e Levi Lopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...