terça-feira, 12 de novembro de 2019

DOS POETAS MALDITOS




Os dedos já dormentes 
em carne crua e viva,
O sangue se tornando a
pintura que faltava,
Perigosamente expurgo 
as palavras malditas.

Córneas irritadas promovem 
a pureza do olhar,
O vermelho vislumbra 
o acabamento desta arte,
O esforço de pensar venera 
o poeta verdadeiro.

Inspirações num vácuo, 
ecoado de desenganos
atravancados na loucura 
presa dentro de mim
Sobe o sangue, engasgo-me 
e cuspo vocábulos.

Talvez eu não chegue ao fim 
com os meus termos
doentios e cheios de chagas 
abertas às discórdias.
Retrato do poeta que vos fala 
até vomitar o fim.

Emiliano Véras e Levi Lopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...