segunda-feira, 28 de outubro de 2019

TRAUMA SUBVERSIVO


Ser escravo da insanidade 
e infiel dos bons fins. 
Frasco da colônia mais delicada 
e câncer de uma paixão sem saída. 
Do corpo de um só vulnerável 
Amante do amor. 
Por ser uma desculpa da natureza febril, 
Onde as gotas do silêncio que aprisiona a alma. 
Morre na desconfiança infundada 
de pensamentos doentios. 
Ah, que sorte eu tenho de tanto amor. 
E minha sombra traumatizada, 
presa em dias de frio!

Emiliano Véras e Levi Lopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TEMPO, TEMPO, TEMPO

A despedida " até logo!",  fortalece a paz que voltaremos  a qualquer hora nos encontrar.  A sonda os segundos, os minutos,...